quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O movimento republicano e o fim da monarquia no Brasil

As contradições do Império tornaram-se evidentes diante dos conflitos políticos desencadeados por interesses diversos dos vários setores da sociedade. A monarquia era sustentada pelos fazendeiros ligados ao escravismo e sofria criticas externas e internas. Do ponto de vista externo a permanência de uma economia agrária, escravista e dependente do mercado externo era vista como atraso diante do crescimento do capitalismo industrial. Internamente, o centralismo do poder incomodava os modernos cafeicultores do oeste paulista que não possuíam representação nas decisões políticas,enquanto os setores urbanos sustentavam o movimento abolicionista desejando que a monarquia fosse substituída pela república.

A ascensão dos cafeicultores do oeste paulista e a crise do escravismo trouxeram  para o meio  político a aspiração por uma república federalista. A partir de 1870, com a publicação do manifesto republicano e o perfil desajustado entre o poder político e o poder econômico do império, os setores da oposição se organizaram em torno dos ideais republicanos. Concentrados no sul e sudeste do país,os republicanos fundaram partidos políticos, clubes republicanos e jornais de apoio ao movimento.

Os partidários da república concordavam entre si em um único ponto: eram contrários à monarquia. Quanto ao método para atingir o objetivo, estavam divididos no que se referia à participação ou não da população. Os que defendiam a participação popular eram revolucionários do meio urbano, já os que eram contrários desejavam uma mudança pacifica, que não trouxesse para o grupo perdas econômicas, eram os evolucionistas.

As tentativas de união dos republicanos chegou ao fim em 1888, quando no Congresso Nacional do Partido Republicano, elegeu-se o moderado Quintino Bocaiuva como chefe nacional do partido. Contrários, a oposição radical urbana lançou um manifesto contra os evolucionistas,mas os ideais moderador prevaleceram...

A oposição estava dividida,mas faziam aferrado combate ao conservadorismo político e à manutenção da escravidão. A monarquia se isolou e aos poucos foi caindo, tendo como marco de referência os acontecimentos do dia 15 de novembro de 1889.

A Igreja Católica e o Exército eram importantes sustentáculos da governo de D Pedro II. O catolicismo era a religião oficial do Brasil e, a Igreja era submissa ao governo imperial que, interferia nas questões religiosas escolhendo os clérigos que iriam ocupar cargos importantes no clero, periciando bulas papais a serem aplicadas no país,  julgando e condenando padres e bispos. Atitude que afastaram a Igreja do império.

Depois da Guerra do Paraguai o Exército manteve uma política de valorização da instituição,criticando a posição secundaria que o governo conferia aos militares. Um pequeno grupo começou a defender ideias republicanas e modernizadoras, demonstrando descontentamento para com a monarquia.

A proclamação da república deu-se pela conjugação das camadas urbanas com os fazendeiros do oeste paulista e o Exército. O ministério presidido pelo Visconde de Ouro Preto tentou efetivar reformas para neutralizar as criticas ao império e atender aspirações dos republicanos, mas as reformas chegaram tarde demais e não foram aceitas pela Câmara, então composta,  por políticos conservadores.

Diante da resistência a Câmara foi dissolvida, criando uma clima de agitação. O Partido Republicano Paulista e o Partido Republicano do Rio de Janeiro, insistiram com os militares para que assumissem a liderança do movimento republicano. Em 15 de novembro de 1889 a monarquia foi derrubada por um golpe militar liderado pelo Marechal Deodoro  da Fonseca e proclamou-se a república,

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Sugestão de atividade sobre o fim da URSS


 O colapso soviético

Com o colapso da União Soviética, a experiência do “socialismo realmente existente” chegou ao fim. Pois, mesmo regimes comunistas que sobreviveram e tiveram êxito, como o da China, abandonaram a ideia original de uma economia única, controlada e planejada pelo Estado. Será essa experiência, algum dia, renovada? Claramente não o será da forma desenvolvida na União Soviética [...]
Porque a experiência soviética foi tentada não como uma alternativa global ao capitalismo, mas como um conjunto de respostas à situação particular de um país imenso e atrasado, numa conjuntura histórica particular e irrepetível.
O fracasso da revolução em outros países deixou a União Soviética comprometida a construir sozinha o socialismo, num país onde, pelo consenso universal dos marxistas em 1917, incluindo os russos, as condições para fazê-lo simplesmente não existiam.

(Adaptado de HOBSBAWN,Eric. Era dos Extremos: o breve século XX – 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. P. 481.)

    1-     Para o historiador Eric Hobsbawn, o fim da União Soviética foi também o fim do socialismo? Justifique com argumentos do texto.

 2-     De acordo com o texto, os marxistas acreditavam que o contexto russo de 1917 não era  propício para a implantação do socialismo. Identifique a principal causa:
a)  O poder político do Czar era hereditário.
b)  A economia do país era centrada na produção agrária.
     c)  Os trabalhadores da indústria tinham condições regulares de trabalho.
     d)  Faltavam militares para compor o Exercito Vermelho. 

   3- Observe a fotografia abaixo e explique as contradições do socialismo na União Soviética tendo por base o cenário mostrado na imagem.


    

Moscou, 1987, fila para comprar sapatos.  Fonte



     4-  9 de novembro de 1989, Jornal do Brasil:


            Na imagem acima a manchete mostra uma das causas da :
a)  Independência da República Democrática Alemã, ex-colônia dos Estados Unidos.
b)  Desintegração do bloco socialista soviético a partir de 1989.
c)   Guerra fria entre Estados Unidos e União Soviética.
d)   Formação da União Europeia.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

O Plano Real


Em maio de 1993, partindo para o tudo ou nada, Itamar Franco nomeou Fernando Henrique Cardoso — então Ministro das Relações Exteriores — para o Ministério da Fazenda.  Naquele mês, a inflação de preços acumulada em 12 meses já estava em 1.348%. 

Analise o gráfico abaixo e escreva um comentário sobre as informações que nele mostradas.

Fonte:  http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Efeito_do_plano_real_sobre_a_inflacao.png

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Os últimos dias da URSS

Documentário interessante. Quem assistir deixe por favor um comentário.



Brasil na Redemocratização (1985 em diante)

Esse vídeo mostra bastante coisas sobre o tema tratado no capítulo 14 - O Brasil na Nova República, assista-o e deixe um comentário sobre o conteúdo.